O CÉU

Se em algum momento eu ficar restrita de movimentos, prisioneira de um corpo inerte, deixem que meu olhar recaia nem que seja, apenas, sobre uma réstia de céu. Num primeiro momento meus olhos poderão marejar pela emoção, mas logo se encherão de expectativas pelas mutações, pelas variações da beleza, das formas, das cores, que a visão do céu me proporcionará.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s