VIDA QUE PASSA/PASSOU

A vida tem os anos que cada um precisa viver. Coisa muito particular e intransferível. Uns morrem muito cedo, na visão dos familiares, aos 90 anos. Outros morrem muito tarde, para os seus próximos, aos 30, 40 anos. Muito tarde porque se demoram demais em convivência que causa dor e sofrimentos. O outro muito cedo aos 90? Porque é causa e consequência de muitas alegrias, presença amiga e companhia que transmite e envolve a todos com amor! E avaliando um outro aspecto, o que é melhor? Que se vá nosso querido de repente ou demoradamente? Com alguns é possível vivenciar todas as etapas enquanto com outros isso não é possível. Os que se vão de repente são arrancados do nosso convívio, brutalmente ou serenamente, mas assim, aqui nesta hora e não mais na hora seguinte. Demoradamente os que, pela doença ou falência da “vida”, se vão devagarinho dia a dia. A vitalidade já vai se esvaindo naturalmente ao longo dos anos, mas quando um ou outro órgão fica mais comprometido tudo se acelera. É o caminho natural. Mostram-se tão cansados! Talvez por isso digam às vezes que querem “ir embora”… Os objetivos para estarem aqui vão se esgotando e pode ser que meio prevejam algo melhor ali, mais adiante. Não há “a melhor escolha” até porque isso é gerenciamento do Senhor da Vida. Mais um dia, mais um ano, algumas décadas… É infalível perderemos “de vista” aqueles com quem convivemos. Difícil é a despedida. Sempre!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s