DOGS

Uma coisa que me diverte são os nomes que as pessoas escolhem para seus cachorros. A criatividade e ousadia me encantam. Ozzi (um roqueiro), D’Alessandro (minha paixão. Pelo cachorro!!!!), Greg (encantador), Tequila (que rosna mas não morde), Bruce Willis (com um histórico de vida tipo: difícil de matar. Por isso o nome), Luma (quem não conhece pensa numa Poodle mas é um Cane Corso imenso e belíssima), Benjamin (que não conheço pessoalmente porque a dona se convenceu de algo que não aconteceu), Olívia (gente, esta tem uma energia e me pego pensando que tem uma Duracell embutida), Monalisa (enlouquecida mas uma gracinha), Brenda (uma princesa nata), Toulouse (in memory. Só latia indignado quando a visita levantava pra ir embora. Não como substituto mas a dona hoje tem o Guapo, loco de safado!!!), Isa (exibida como o dono, ehehe!) e o Pipoca do comercial da Net?! (ator perfeito) E a Chica, a Nina(in Memory), Xena (quase uma ursa), Apolo (uauuu, um deus que se exercita na esteira, pode?!)…Coloque o nome dos teus lá nos comentários. Vou gostar! Enfim, eu mesma não tenho um cachorro digamos que para compensar os que têm 10 ou 12… Mas teria um.  Tive um. Pumpy. Um amigo me deu recém nascido. Morreu de tristeza, o cachorro não o amigo. Outra hora eu conto. Mas tinha um vizinho cachorro. Não é ironia, era um cachorro mesmo da raça Shih Tzu, acho que tem uma misturinha pois é um pouco maior que os “originais”. Branco e cinza e o nome Bono Vox.  Tipo sereno, não late e é muito gentil. Como um “bom” vizinho  não podia ver minha porta aberta que entrava sem cerimônia, nem me olhava, e sentava no sofá.  Bem no meio. A dona podia se rasgar chamando que ele nem se abalava. Ficava ali me olhando. Era engraçado ver a criatura toda sem jeito com a falta de autoridade sobre o peludinho. Enfim, Mônica precisava pegá-lo no colo para levá-lo. Até o dia que ele descobriu a outra sala, e quando Mônica ameaçava ir pegá-lo ele saia correndo e se aboletava no outro sofá. Ela tinha que ir até lá para buscá-lo toda constrangida. Quando  o apanhava ele ia conformado, sem reagir. Nunca fui eu a tirá-lo do meu sofá. Ficávamos nos olhando enquanto Mônica ficava, da porta, chamando-o com todos os comandos que conhecia até ter que entrar para carregá-lo.  Sei lá o que passava naquela cabecinha peluda?! Gosto de pensar que se ele tivesse escolha seria meu. Mudaram-se para Florianópolis. Saudades do Bono!

Anúncios

2 comentários sobre “DOGS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s